5 jan 2012
13

Trend alert: bordô!

Burgundy, bordeaux, bordô… não importa o idioma, o tom avermelhado, que herdou o nome por lembrar a cor do vinho produzido em Bordeaux/França, está fazendo sucesso entre as gringas fashionistas e promete pegar no inverno brasileiro também. 

Na minha opinião, o tom é bem chique e fica bem em quase todos os tons de pele. Já para combiná-lo com outras cores, apostaria no branco, mostarda, bege, cinza e rosê. E para quem não tem medo de ousar, uma opção é misturar o bordô com tons de pink e vermelho.

Como aconteceu com o vermelho e o azul klein nas últimas temporadas, o bordô também aparece em quase tudo: bolsas, calças, saias… 

A cor também marca presença no make, aparecendo em batons poderosos e sombras cheias de estilo. Apesar de não ser tãaao usado normalmente, acho que até dá para encarar. O que vocês acham?

Se tivesse que escolher apenas uma peça bordô para comprar, apostaria em uma calça. Não tenho dessa peça em tons diferentes e acho que, com esse conseguiria montar produções bem variadas. 

E vocês, curtiram a tendência?

Comente
4 jan 2012
5

Inventando moda…

Confesso que já estava com saudade da tag “Inventando Moda”. Saudade de publicar o que é diferente, inovador e criativo. Tipo aquelas coisas que a gente vê e fala “nossa, como eu nunca pensei nisso antes!”. E é, exatamente o que acontece comigo sempre que encontro algum tema para escrever essa tag

A inspiração para o post de hoje surgiu após ver a imagem abaixo que mostra alguns tipos de nós para se fazer em cintos:

Está aí um acessório que nos permite e muito “inventar moda”. Vejam mais duas imagens inspiradoras que encontrei:

E tem mais, além dos variados tipos de nós, ainda podemos usar outras peças e acessórios como cintos. Algumas opções são as gravatas dos maridos e namorados, cordas e fitas. Esses itens ajudam a renovar a ideia do acessório e deixá-la mais moderna.

E aí, já experimentaram usar cintos de maneiras menos convencionais?

Comente
3 jan 2012
46

Mulheres ricas?

Ontem à noite liguei a TV e sintonizei na Band para  assistir CQC. Tinha me esquecido que o programa está de férias. Em seu lugar estava passando um novo reality show chamado “Mulheres Ricas”. De cara, pensei “que programa fútil”, mas resolvi assistir um pouco nem que fosse para criticar depois. 

O tal reality show era formado por cinco milionárias: Val Marchiori, Narcisa Tamborindeguy, Brunete Fraccaroli, Débora Rodrigues e Lydia Sayeg. Durante o programa mostraram um pouco do cotidiano dessas mulheres que não se preocupam com o valor da fatura do cartão de crédito no final do mês. 

Após refletir um pouco sobre o assunto, gostaria de expor três observações:

1) Primeiramente, parabéns para a Band! Se ela queria audiência e polêmica, conseguiu. O programa foi parar nos Trending Topics Brasil do Twitter e apareceu em vários sites e blogs (inclusive nesse aqui 😀 ). Provavelmente, será assunto nos programas de fofoca, ooops de entretenimento, que passam à tarde também, mas estes eu não assisto. 

A proposta inicial foi bem acertada. Queriam mostrar uma minoria de mulheres com alto poder aquisitivo para uma minoria que sonha com o seu lugar à sombra, já que o Sol é para todos. Só acho que a emissora errou na mão. Algumas cenas foram totalmente desnecessárias como àquela em que o filho da Débora Rodrigues teve que fingir que estava acordando após levar um bronca da mãe. Deu para perceber que ele não estava dormindo, né, gente? Mas tudo pela audiência.

2) Muitos criticaram o reality show por mostrar cenas extremamente consumistas e elitistas em meio a um mundo desigual. E eu tenho que concordar. Fato é que não foi o primeiro e com certeza não será o último a ter essa proposta. Talvez essas mulheres até se envolvam em ações sociais, mas para que mostrar isso, não é mesmo? É bem melhor mostrá-las comprando (ou tentando comprar) um novo avião ou alugando uma Ferrari. Atrai mais público! 

3) A frase “você sai da pobreza, mas a pobreza não sai de você” deveria ser o slogan da atração. Pelo menos, foi isso o que pareceu. Mostraram mulheres que não sabem o que é “plural”, que gastam tanto a ponto de não saber quanto e que falam com orgulho que sua família é “rafinada” (não, não escrevi errado! Foi isso o que disse a nossa querida Narcisa). Ah, e faço uma ressalva: a pobreza na qual me refiro não está ligada só ao dinheiro, mas ao espírito, que é bem pior.

Mas tenho que ser justa e dizer que uma das participantes demonstrou o mínimo de sensatez. Falo da Débora Rodrigues, sim, aquela da cena falsa acordando o filho. Ela foi mais  equilibrada ao ir contra as outras que tomavam champagne como se fosse água e mostrou firmeza ao incentivar (ou seria obrigar?) o herdeiro a começar a trabalhar.

Bom, após assistir a esse “espetáculo” só posso desejar um ensino de qualidade para pobres e ricos em nosso país e que os pais saibam dar limite aos filhos quando crianças, porque, minhas amigas, não está fácil não! 

E aí, quem mais assistiu e quer anfinetar? 😀

Comente
Pages: 1 2 ... 4 5 6 7 8 9 10 11

DONA ONÇA é um blog pessoal, que fala de assuntos diversos como moda, comportamento, cutura, etc.

Todas as imagens que aparecem no site são de autoria própria, ou reproduções de outros sites e DONA ONÇA não reivindica nenhum crédito para si, a não ser que especificado. Se você (ou sua empresa) possui os direitos de alguma imagem e não quer que ela apareça no DONA ONÇA favor entre em contato e ela será prontamente removida.

%d blogueiros gostam disto:
1 8 9 10 11